Banimento do amianto será votado nesta quinta-feira (17) no STF

Os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) retomam na tarde desta quinta-feira (17) o julgamento que deve decidir pelo banimento definitivo ou não do amianto crisotila em todo o Brasil. O julgamento começou na semana passada, mas foi interrompido e retorna hoje para a ordem do dia no STF. O caso é de extrema importância para os brasileiros e merece toda a atenção dos trabalhadores, já que afeta diretamente a saúde e a vida de quem está exposto a essa substância.

O amianto crisotila é uma substância que causa graves problemas pulmonares aos trabalhadores expostos e está fortemente ligada ao surgimento de câncer de pulmão. Os dados da Organização Internacional do Trabalho (OIT) mostram que mais de 400 mil pessoas morrem por ano no mundo vítimas da exposição a essa substância. Só no Brasil são mais de 100 mil trabalhadores mortos todos os anos vítimas do amianto. Por isso o banimento se trata de uma questão de saúde pública.

A ação pedindo o banimento do amianto crisotila foi aberta pela Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra) e pela Associação Nacional do Procuradores do Trabalho (ANPT). Ela também conta com o apoio da Associação Brasileira de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora (ABRASTT), Associação Brasileira dos Expostos ao Amianto (Abrea) e da Associação Nacional de Medicina do Trabalho (Anamt) que escreveram uma carta aberta aos ministros do STF pedindo pelo banimento da substância. Além de seguir o mesmo posicionamento da Organização Mundial da Saúde (OMS), da Organização Internacional do Trabalho (OIT), da Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer (IARC).

Sérgio Butka, presidente do SMC, da Força Paraná e da Fetim, destaca que o movimento sindical também está nessa luta em defesa da vida dos trabalhadores brasileiros.

“Estamos já há muito tempo nessa luta pelo banimento do amianto no Brasil. Não podemos aceitar que o trabalhador continue pagando com a vida essa situação. Com todas as conquistas que os trabalhadores tiveram e com todo o avanço da indústria e da ciência, uma situação como essa não poderia estar acontecendo no país. É uma vergonha”, explica Butka.

O médico do trabalhador dr. Zuher Handar explica que essa é uma batalha de todos aqueles que lutam pela vida e proteção dos trabalhadores e por isso o julgamento desta quinta será tão importante para o Brasil.

“Queremos proibir não só o uso do amianto, mas também toda e qualquer substância cancerígena e que atente contra a vida do trabalhador. Essa é uma luta de todos que trabalham pela preservação da vida e por um ambiente de trabalho seguro para os brasileiros”, destaca Zuher.

Esta entrada foi publicada em Notícias. Adicione o link permanenteaos seus favoritos.

Os comentários estão encerrados.