Governo aumenta gastos, perdoa os bancos e ainda quer que o povo pague a conta

Por Sérgio Butka*

O governo quer que os trabalhadores paguem a conta de uma péssima gestão, de dívidas bilionárias dos bancos e aumentos de salários e gastos com comissionados. É disso que se tratam as reformas de Michel Temer e não de “rombo” na Previdência ou “modernização” dos direitos trabalhistas. Enquanto querem que a gente faça economia, cortando nossos direitos básicos, eles usam o dinheiro público como bem entendem.

Provas da péssima gestão do nosso dinheiro no governo Temer não faltam. É R$ 500 mil em cafezinho para lá, R$ 120 mil em copos novos no Senado para cá, sorvetes e frutas de primeira para os aviões e por aí vai. Sem contar os mais de R$ 1,8 bilhão em emendas liberados em junho para comprar o apoio para continuar no poder e os mais de R$ 30 milhões para pagar as propagandas da reforma da previdência. Mesmo assim eles insistem no discurso de que a aposentadoria da população e os direitos trabalhistas são os grandes problemas da economia.

A dívida bilionária dos bancos com o país é outra prova de que não somos nós trabalhadores que precisamos cortar gastos. Os grande bancos devem R$ 124 bilhões para o Brasil, R$ 7 bilhões só para a previdência. Esse dinheiro é nosso e o governo não faz nenhuma questão de cobrar deles. E não cobram porque eles têm o rabo preso, pois são os bancos que financiam suas campanhas. A prova disso é que só esse ano Temer e sua quadrilha perdoaram uma dívida de R$ 338 milhões do Santander e outra de R$ 25 bilhões do Itaú. Além dos bancos, outras grandes empresas também devem muito para o país, mas quem disse que são cobradas pelo governo.

Aposentadorias de senadores e pensões para as esposas e filhas de políticos são outros assuntos que ninguém fala em mexer. O próprio Michel Temer recebe a sua gorda aposentadoria todo mês. Além disso, sempre que podem, aumentam os salários dos seus comissionados. Isso tudo eles nem pensam em reduzir. A única coisa que querem é cortar nossos direitos e condenar o brasileiro a trabalhar até morrer sem se aposentar.

Não vamos cair nessa mentira. Essa conta não é nossa e não vamos pagar. Se falta dinheiro, por que o governo não cobra os bilhões dos bancos e grandes empresas? Por que o governo não reduz seus próprios salários e gastos em Brasília? Por que os políticos e suas famílias não diminuem as gordas pensões e aposentadorias que recebem? O trabalhador não vai ser feito de palhaço. Vamos seguir lutando para barrar todas essas reformas e tirar esses bandidos do poder. Nenhum direito a menos!

*Sérgio Butka é presidente do Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba, da Federação dos Metalúrgicos do Paraná (Fetim) e da Força Sindical do Paraná.

Esta entrada foi publicada em Notícias. Adicione o link permanenteaos seus favoritos.

Os comentários estão encerrados.